Não é muito cultuado no keto. Usa contas de um azul escuro que se aproxima do roxo do colar de Esú, seu irmão e amigo íntimo. “Xoroke é um Ògún que tende a confundir-se com Esú, agitado, instável, suscetível e manhoso”.

Sendo Ogun um orixá e não um vodun ou Nkice, então estaria ele também sob as tradições de Ketu, nessa nação são reconhecidos sete Oguns, são eles: ONIRE, ALAKORO, ALGBEDE, OGUNJÁ, MEJE AMENON E OWAWRIN, segundo a crença Nagô quando o primeiro tenta adentrar a terra essa o repele fazendo-o explodir em sete partes o que originou os sete caminhos de ogun, os já acima citados.
Os dias que disserem que ele é um vodun ou um Nkice, então poderão abrir dialogo de sins e nãos, porém enquanto existir a afirmação deste como orixá, então só temos uma resposta: o único orixá com este nome é o próprio Exu Xoroque, talvez por uma questão de uma pessoa ter tido a necessidade de fazer um Exu e não ter tido punho ou coragem para enfrentar o preconceito da comunidade do candomblé daquela época, há cinqüenta anos atrás, deu margem para essa polemica tão discutida hoje.
Em tempo:
Basta ver o assentamento deste Ogun que você depara com um Ogun assentado na tabatinga o que é vedado para qualquer um rodante, uma vez que a crença nagô acredita que quando se procede assim à energia ficaria presa não mais voltando àquele ori, bem sendo assim ainda existe alguém que fala que ele seria um vodun, de jeje, mesmo com essa última hipótese ele deixaria de ser um Ogun, visto que esse só existe na crença Nagô, teria seu correspondente como o Vodun Gou naquela nação, ainda assim quando visto como Vodun os Zeladores de jeje não aceitam e nem mesmo nunca ouviu falar. Ele é o guardião da porteira de Bessen, não devendo ser feito na cabeça de ninguém.
Nova ressalva: É um Orixá de Jeje, um tipo muito perigoso. Dizem que foi amaldiçoado por seu pai e sua mãe. Conta à lenda que um vulcão entrou em erupção e XOROQUE pulou de dentro dele, em forma de fogo. É o senhor da noite, vive nos cantos das encruzilhadas, castigando os que por ali passam e profanam as oferendas ali colocadas. É o Orixá da vingança, pois, seu temperamento é muito forte. Tem que ser feito no domínio do pai, VILA MAVUMBE, e ambos no domínio da mãe, APANDÁ. Faz-se o Exú, escravizado por Ogún, tendo que assentar Oxún. Não pode ser feito dentro do barracão. Tudo é duplo, até o QUELÊ. São dois assentamentos, um de Exú, sem massa e outro de Ogún, com massa, sobre o Exú. Dança-se para Exú, Ogún e Oxún.
Outra Ressalva: De acordo com Fernandes Portugal, Ogum Xoroquê é um Ogum com fundamento em Exú. Já Xogum, segundo o mesmo autor, é um tipo de Ogum que se torna Exu durante seis meses. O fato de ter fundamento em, ou ser periodicamente Exú, significa que esse Ogum tem um componente mágico, podendo realizar feitiços.
De acordo com Olga Cacciatore, Ogum Xoroquê, também chamado de Xogum (EXÚ DE OGUM), é um Ogum feroz e briguento, tão bravio que termina por torna-se um Exú. É por isso que ele tem tanta presteza em procurar resolver as demandas de seus filhos- de- fé, assumindo suas brigas e quizilas. O próprio nome da entidade reflete essa característica: em iorubá, xoro + ké significa gritar ferozmente ou cortar cruelmente.
Ainda segundo Cacciatore, Xoroquê é o nome dado a essa entidade, quando ela se manifesta sob a forma de Exú.Como todos os exús da Umbanda, ele é mais um servo do Orixá que um Orixá propriamente dito ; desta forma, esta entidade seria um Exú subordinado a Ogum-Xoroquê ( como indica o nome Xoroquê , que significa em iorubá guarda de Xoroquê) .
Entretanto , diferente dos demais Exús, este tem duas características únicas: em primeiro lugar, verifica-se que, embora seja da mesma raiz que Ogum, ele assume uma causa como se fosse somente sua , quando outra entidade o requisita, resolvendo o problema por conta própria , e não como mensageiro do Orixá; em segundo lugar, e mais importante, verifica-se que, durante parte do ano, este Exú torna-se o próprio Orixá a que é ligado.
No Candomblé da Nação de Angola, esta entidade é um Boiadeiro. Chama-se Caboclo Xoroquê – metade caboclo, metade Exú -, característica que o torna mais arrojado que os demais Caboclos no momento de resolver os casos que lhe são entregues.

No Brasil, o Senhor Xoroquê, como a entidade é respeitosamente chamada por seus fiéis, apresenta-se alternadamente sob duas formas: durante seis meses do ano, é um Ogum, durante os outros seis meses, é um Exú.

Porém estes seis meses não são exatamente o primeiro ou segundo semestre e sim dias alternados. Ou seja, o filho de Ogum Xoroquê sente em seu organismo quando Exú esta aflorado ou o Ogum. Somente o filho deste Orixá sabe desta mudança. Um dos motivos dos filhos deste orixá serem considerados irresponsáveis, pois ninguém nunca sabe o que ele vai fazer, esta pensando são muito imprevisíveis, nem eles sabem qual vai ser a atitude diante de uma situação. Por isso as pessoas têm que ter muita paciência com os filhos de OGUM SHOROKE. Os Zeladores de Santo quando tem um filho deste Orixá sabe que este filho será aquele que sempre ele pode contar e sempre sabe que de vez em quando some do “BARRACÃO”, mas sempre volta. Os Zeladores já estão tão acostumados com as atitudes destes filhos que os outros Yaôs do “barracão” acham que estes filhos são os protegidos. Mas não. É que Ogum Xoroquê esta sempre a flor da pele e os filhos agem de forma muito parecida do Orixá. Resumindo, os filhos de OGUM SHOROKE são problemáticos. Porém quando OGUM SHOROKE “quizila” com um filho dele. É muito difícil conseguir “agô”. Este filho apanha por um período de SETE ANOS, QUATORZE e VINTE UM ANOS. Portanto todo o cuidado é pouco. Os filhos de Ogum Xoroquê quando apanham de seu pai, apanham de uma forma muito rude em relação aos outros Orixás. OGUM SHOROKE só atende aos pedidos feitos para YEMANJA ou XAPANAN. Por tanto se você é “raspado e catulado” para este Orixá, tome muito cuidado. Não vacile, pois ele te dá quase tudo e toma de você inclusive aquilo que ele não te deu. Os filhos de OGUM SHOROKE conseguem tudo com muita facilidade, isto quando esta em dia com seu Orixá. Conseguem coisas impossíveis que ele nunca imaginou conseguir, coisas materiais e espirituais. Porém tem estar em dia com todas as “obrigações” relacionado ao Orixá. Eu amo meu pai OGUM SHOROKE. Pois foi para ele que meu “mucanã” caiu, foi para ele que o “inje” foi derramado no meu “ori” foi para ele que usei o meu “kelê”.