Borí é um ritual feito para um orixá individual chamado Orí, a nossa cabeça.

A Tradução dessa palavra define bem seu intuito, pois quer dizer oferenda e Orí quer dizer cabeça.

Esse ritual tem a finalidade de preparar o Orí para uma melhor manifestação do Orixá, seja ess manifestação em sus diversas formas.

O Orí precisa ser preparado para receber as cargas dos orixás, por isso esse ritual é feito.

Os antigos dizem que Oxalá é o orixá que criou a vida e por consequência os Orís, por isso ele sempre está presente nesse ritual, assim como Yemanjá que sendo mãe de todos e de todas as cabeças, será necessário sua presença.

A própria cabeça é síntese de caminhos entrecruzados. A individualidade e a iniciação (que são únicas e acabem, muitas vezes, se configurando como sinônimos) começam no ori, que ao mesmo tempo apota para as quatro direções.

OJUORI – A TESTA
ICOCO ORI – A NUCA
OPA OTUM – O LADO DIREITO
OPA OSSI – O LADO ESQUERDO

Oxalá é orixá muito antigo. Olorum deu a Oxalá a tarefa de modelar o ori ( a cabeça) das pessoas. Todos os dias, Ajalá faz muitas cabeças que depois de prontas, são colocadas ao sol.
Quando uma pessoas esta para nascer, ela antes vai até Ajalá para escolher uma cabeça.

O material usado para modelar cada cabeça dá, á pessoa que a escolher, seu destino e seus ewós (proibições). Ori, portanto, e a parte pessoal da existência de cada um. Ao escolher uma cabeça, a pessoa esta também escolhendo o seu odu. O odu é semelhante ao signo astrológico e rege a vida da pessoa durante sua permanência no aiyê. Só Ajalá e Orumilá conhecem o odu de cada um. Por isso, o odu só pode ser desvendado através do jogo.

A cabeça nasce antes do corpo, sendo mais velha que a pessoa e até mesmo que o orixá que a tomou no momento em que ela nasceu. Por isso, antes de mais nada as pessoas devem cuidar de seu ori, cuidar dele. Cada pessoa tem o seu ori, não existindo dois iguais. Mas mesmo sendo único, o ori trás com ele a marca da ancestralidade.

O alimento preferido da cabeça é o obi ( noz de cola ). O obi pode ser oferecido á cabeça sozinho ou acompanhado de outros alimentos. A obrigação na qual se “dá comida á cabeça” é o Bori.

Nesse ritual é oferecido comida aos orixás da pessoa, uma vez revelados.

Esse ritual busca um equilibrio das energias quem rondam a pessoa e o Orí.

-Ajuda do artigo da revista dos orixás-