Iyamí Oshorongá é o termo que caracteriza as temíveis feiticeiras africana. Ao pronunciar esse nome, quem estiver sentado se levanta e quem estiver em pé toca o chão com as mãos, em sinal de respeito.

Elas apresentam um lado obscuro do culto, designam a inveja, fome, poder, ambição, mudanças repentinas etc…

O culto as iyamís é bem particular, deve-se saber lidar com essas energias. Não se admite erros.

O poder de Iyami é atribuído às mulheres velhas, mas pensa-se que, em certos casos, ele pode pertencer igualmente a moças muito jovens, que o recebem como herança de sua mãe ou uma de suas avós.

Essas feiticeiras são extremamente vingativas e inteligentes, não é atoa que a Coruja é um de seus simbolos. Dizer seu nome em voz alta é perigoso, pois elas ouvem e se aproximam pra ver quem fala delas, trazendo sua influência.

Iyami é freqüentemente denominada eleyé, dona do pássaro. O pássaro é o poder da feiticeira; é recebendo-o que ela se torna ajé. É ao mesmo tempo o espírito e o pássaro que vão fazer os trabalhos maléficos.

Iyami possui uma cabaça e um pássaro. A coruja é um de seus pássaros. É este pássaro quem leva os feitiços até seus destinos. Ele é pássaro bonito e elegante, pousa suavemente nos tetos das casas, e é silencioso.