Essa Postagem mostrará o que acontece após o ritual já cumprido de feitura.

Após voltar a vida cotidiana e carnal, o Yawó, ainda terá que cumprir um certo tempo de preceitos e estar usando Kele e Contra Eguns. Sempre vestido de branco.

Esses preceitos variam de casa para casa e as vezes mudam conforme o Orixá iniciado, muitas partes dos preceito é obtido com conversa e através dos Búzios.

Esse período é sem dúvida o mais difícil, pois a volta para a vida cotidiana como o trabalho. Como trabalhar, ir á escola, ao supermercado, buscar o filho na creche, se estando em limitações.

Pensando nisso, e com a evolução da religião, esse novato poderá usar o uniforme de trabalho, usar um adorno na cabeça e aos poucos retomar uma vida normal. Terá prpblemas na hora da refeição, pois não poderá entrar em bares e restaurantes, ainda não pode brigar e se aborrecer.

Mas restições ou Ewós ainda permanecerão, do tipo bebidas alcoolicas, pular carnaval, andar no frio sem proteção na cabeça, tomar banho de mar etc…

Após tres meses assim, acontece uma festa chamada Queda de Kelê, onde boa parte dos preceitos se romperão.

As Obrigações

Após a saída de Yawó, com o passar do tempo o Iniciado cumprirá outras obrigações que servem para renovar os votos da religião.

São essas Obrigações:

Obrigação de 1 ano (Odueta/ Odúkini): Nesse ritual, acabará todo os preceitos de Yawó, nessa festa é entregue Oferendas, flores, comida ritual…

Obrigação de 3 anos (Odúetá): Essa obrigação é considerada uma confirmação de votos, estará autorizado a receber se Juntó (Segundo Orixá) e já pode ser graduado no Terreiro. Poderá também usar fios de contas um pouco mais enfeitado com Seguis e Brajás.

Obrigação de 7 anos (Oduijé): Todos os iniciados tomam essa obrigação, nela o iniciado passará a ser um adulto na religião, ele será um Egbomí.

Poderá receber cargo no terreiro ou ter seu próprio terreiro, tudo dependerá do destino e dos búzios.

Nessa festa é entregue ao Egfbomí seus materisis necessários como navalha, obí, búzios… Lembrando que nem todas as pessoas podem ser um Zelador de santo e abrir sua própria casa de santo. Não basta ter 7 anos, é preciso ser capacitado.

Quando a pessoa passar pelo ritual de Deká ou Oye, recerá uma cuia autorizando a ser Babalorixá ou Iyalorixa, se o Orixá colocar a cuia no chão é sinal de que ele negou.

OIYE – quer dizer titulo independência, são pessoas que já tomaram seus sete anos e necessitam de um TITULO dado pelo seu babalorixá, para ser independente e Zelador (a) de Orixás, sacerdocio Esse Oiye pode ser também um cargo na casa do babalorixá onde fez a obrigação.

– DEKA – é autorização (direitos) de conduzir a sua própria casa de Candomblé, atendimento de seus adeptos e consulentes, jogar búzios, tirar ebós e iniciar pessoas no Orixá, ou Vodum dependendo da nação etc.. Na nação Jeje receberá um Hunjebé é o Titulo de sacerdócio exclusivo da nação Jeje e um amuleto do Egbomí, é o diploma dado pelo Voduno para dar continuidade do aprendizado dos fundamentos dos Voduns.

Ainda existe as obrigações de 14 e 21 anos que servem para renovar o sacerdócio.