Iniciação Ketu

É uma das maiores festas do candomblé, pois é quando um Yawó ou Cargo do candomblé está nascendo para seu orixá.

Representa o nascimento para uma vida nova, uma vida religiosa jumto a seu orixá e a Olorún (DEUS).

Esse Ritual geralmente dura 21 dias, onde 7 desses dias é confinado em um quarto chamado Runcó/ Hunkó. Durante esse tempo o novato que deixará de ser Abian (Não Iniciado) passará a ser Yawó (Nascido para o Orixá) ou cargo no caso do Ogan e da Ekedi.

Dentro desse tempo o Iniciante aprenderá Reza, Segredos da Religião, Cantigas, Danças, Rituais, Lendas,… No caso do Ogan e da Ekedje aprenderão coiasas a mais pois seus cargo exigem isso.

Esse tempo é Grande aprendizagem e Repouso, serve para nos desligar do mundo externo e nos  “Abrir os olhos”  para a religião é a fé.

Também acontecem coisas típicas de inicição como: Banhos especiais, Rezas, Curas (Cortes), Sacrifícios, Criação de Assentamentos, Firmezas, Ebós, Raspagem da cabeça, Oferendas etc…

É um ritual um tanto caro, pois depende do orixá e da festa (Opcional) que o iniciado dará depois, sem contar com os materias e a Mão-Do-Zelador (Dinheiro pago ao zelador que permaneceu alí como o Iniciado, também se desligando parcialmente de suas atividades externas), apesar que algumas casas o zelador cobra com a “Mão” apenas o dinheiro gasto com despezar pessoais (Como condução, Tempo do emprego…).

O Ritual de iniciação deve ser feito por Um zelador de responsabilidade e com suas obrigações em dia. Antes é feito um jogo, onde se define os orixás  e os assentamentos a serem feitos. Tudo varia de pessoa para pessoa ou até de cargo para cargo.

Após todo ritual de Feitura, O novato deve ainda cumprir um preceito de Kele (Colar no pescoço), Contra Eguns… Que durará 3 meses e para Ogans e Ekedis 21 dias. Após esse tempo, ainda terá algumas restrições como cortatr cabelo, tomar banho de mar… Mas essa faze de algumas restrições termina com a obrigação de 1 ano.

As obrigações após a iniciação, são mais simples, não requer tanta complexidade, mas é bastante importante. São elas de 1 e 3 anos ainda Yawó, depois 7 anos que é o ritual de sacerdócio (Onde pode ou não se tornar um (a) zelador (a).) e depois renovações do sacerdócio com 14 e 21 anos.

Os Ogan e Ekedis quando são iniciados, já ássam a ser um Egbomí (Ter 7 anos), pois nasceram com seus cargos e são Bàbás e Iyás. Recebem esse titulo de Honra, São pais e Mães de santo. Porém ainda pagam as obrigações de 1, 3, 7 … anos, para que também possam renovar seus votos.

Os Ogans e Ekedis apesar de ter seus orixás, também terá um traço do orixá que lhe levantou com esse cargo, Ou seja, será também filho automaticamente desse orixá que lhe levantou. Quando a Iyá ou Bàbá quizer tomar a benção do seu próprio orixá é só pedir a benção ao seu Ogan e Sua Ekedí. esse postos são os unicos em que o Zelador pede a benção.

Mas, voltando a Iniciação ritualistica, reconhece que o Yawó quando for inciado terá no “Barco” um nome por ordem de iniciação dentro do Runcó. A ordem é: Dofono, Dofonitinho, Fomo, Fomutinho, Gamo, Gamotinho… Essa ordem é definida no ketu, pelos orixas mais quentes, já na angola é por ordem em que “Bolaram” no seu Orixá. há quem verifique nos búzios pra saber a ordem dos filhos.

Os Ogans e Ekedis geralmente não entram nessa contagem, visto que não são iniciados para Yawó e sim pra cargo no terreiro. Porém quem dê nome a sua posição no barco, levará em consuderação que são os Primeiros, ou seja, São os Dofonos.

A inciciação tem a colaboração de toda a familia religiosa, pois todos no terreiro tem um papel importante para isso.

Dentro de Runcó só entra iniciados.

Na outra Publicação veremos o ritual a fundo, com as saidas e em uma outra publicação a iniciação em particularidades de Ogans e Ekedis.