Oxum

Oxum é a orixá que mora nas águas doces da cachoeira, dona do amor, intimidade, paixão, beleza, riqueza e a diplomacia. É a mais bela de todas as orixás.

Elá é sedutora, muito astúciosa e inteligente.

Dona do Ouro e de toda nação Ijexa. Tem o Grande Titulo de Iyalodé.

Seu nome vem de Um rio na África, Oxum, Seus Caminhos de Regência são os de Ôxê e Ejiokô.

Oxum é a dona das lagrimas, alguns filhos quando manifestado com Oxum também derrama suas lagrimas.

Oxum também é a dona da Gestação e da Fertilidade (tradição de Ketu), por isso carinhosamente chamada por Mamãe Oxum.

Conta uma lenda que Oxum tinha  sugerido a Obá que cortasse uma de suas orelhas para oferecer a Xangô, e elka assim fez dispertando a furia do mesmo. Oxum é orixá campeã de Itans (lendas), Todos esses Itans provam a Astúcia e inteligencia da senhora das águas doces. A orixá que não vê defeitos em seu filho.

Informações:

Nome: Oxum

Cor de Fios de contas: Dourado

Comida: O omolocum, feijão fradinho cozido com cebola, camarões e azeite de oliva e decorado com ovos cozidos e descascados é de Oxum.

Saudação: Erí YeYe ó

Simbolos: Abebé (Espelho/léque)

Domonio: Águas Doces, O maor e A Fertilidade.

Seus filhos são:

Oxum é o arquétipo daqueles que agem com estratégia, que jamais esquecem as suas finalidades; atrás da sua imagem doce esconde-se uma forte determinação e um grande desejo de ascensão social.

Têm uma certa tendência para engordar, a imagem do gordinho risonho e bem-humorado combina com eles. Gostam de festas, vida social e de outros prazeres que a vida lhes possa oferecer. Tendem a uma vida sexual intensa, mas com muita discrição, pois detestam escândalos.

Não se desesperam por paixões impossíveis, por mais que gostem de uma pessoa, o seu amor-próprio é muito maior. Eles são narcisistas demais para gostar muito de alguém.

Graça, vaidade, elegância, uma certa preguiça, charme e beleza definem os filhos de Oxum, que gostam de jóias, perfumes, roupas vistosas e de tudo que é bom e caro.

O lado espiritual dos filhos de Oxum é bastante aguçado. Talvez por isso, algumas das maiores Yalorixás da história do Candomblé, tenham sido ou sejam de Oxum.